THEWANTEDBR.ORG // Sua primeira, maior e melhor fonte de informações sobre a boy band The Wanted no Brasil.

Foi em 2014 que a The Wanted anunciou, por meio de um comunicado, que daria uma pausa na carreira. Desde então, os integrantes — Jay McGuiness, Max George, Nathan Sykes, Siva Kaneswaran e Tom Parker — têm se dedicado a vários projetos.

Envolvendo dança, música e atuação, os cinco revelaram para Taylor Weatherby, da Billboard, o que têm feito nos últimos 4 anos — e quais são os planos.

Veja o que cada um revelou à repórter:

Já faz mais de quatro anos desde que a The Wanted anunciou uma pausa depois de sua turnê “World Of Mouth Tour”, em 2014, e, infelizmente para os fãs, não havia pistas sobre uma reunião naquela época. A pausa se estendeu porque os integrantes — Jay McGuiness, Max George, Tom Parker, Siva Kaneswaran e Nathan Sykes — têm se dedicado a seus próprios projetos pessoais, seja na música ou na atuação.

Max atuou na 6ª temporadae últimade “Glee” em 2015, Jay foi coroado o vencedor do programa de dança britânico “Dancing With the Stars” em dezembro de 2015, enquanto Nathan lançou um álbum solo intitulado “Unfinished Business” em 2016. Tom, por sua vez, interpretou Danny Zuko no musical “Grease” de 2016 a 2017. Já Siva, se manteve longe dos holofotes e preferiu trabalhar nos bastidores da indústria em Los Angeles.

Apesar disso, os fãs esperam ansiosamente novidades relacionadas à banda e, para matar a curiosidade, a Billboard entrou em contato com os cinco integrantes. Confira a seguir o que cada membro tem feito desde a pausa e o que os fãs podem esperar para o futuro.

 

Max George

Toda a experiência que tive com a The Wanted, viajando ao redor do mundo, encontrando novas pessoas, fãs, foi um barato. Então, quando isso acabou, eu precisei de três ou quatro meses. Eu meio que me senti um pouco perdido, para ser honesto. Sai de toda essa loucura e de coisas que nunca poderia ter sonhado que aconteceriam. Então, de repente, não estava mais lá. Esses caras com quem cresci tão de perto e por tanto tempo não estavam mais do meu lado. Foi difícil, na verdade, me deu pânico. Passei algum tempo com a minha família e discuti o que queria fazer. Talvez, quatro meses depois, decidi me mudar para os Estados Unidos e comecei a atuar, para dar um tempo da música.

Me mudei para Los Angeles no verão de 2014 e no dia seguinte, consegui um teste para “Glee”. Eu consegui o papel, era para ser apenas um episódio e eu terminei fazendo toda a 6ª temporada, o que foi uma das melhores coisas que já fiz na vida. Trabalhei com Jane Lynch, Matthew Morrison e Lea Michele. Enquanto eu fazia isso, recebi uma proposta para fazer música novamente.

Eu decidi que fazia um ano desde que havia feito algo musicalmente, senti que tinha conseguido meu trabalho de ator e meio que desejei voltar para a música. Senti que a música sempre foi a minha prioridade, a música sempre ia acontecer. Era atuar ou cantar e era o que eu queria realmente. Eu não penso em mais nada.

Assim, comecei a escrever novamente. Eu assinei um contrato de gravação e tenho trabalhado em minha própria música há quase três anos. Acho que sempre que fazia coisas para a The Wanted, seja escrevendo ou me apresentando, sempre me sentia muito como eu mesmo. Definitivamente, há algo novo. Mas eu trabalhei com tantas pessoas incríveis, eu voltei para as pessoas com quem trabalhei na The Wanted. Eu criei muito com Steve Mac e Ed Drewett, que fizeram “Glad You Came”. Trabalhei bastante com Jason Derulo, que é incrível, me tornei um bom amigo dele nos últimos dois anos.

Estou realmente animado. Não tenho expectativas, só quero ver o que acontece. Disponibilizar meu trabalho e se as pessoas gostarem, então tudo bem. Há algumas audições pela frente, claro, tive que recusar alguns papéis no cinema apenas por falta de tempo. Ainda estamos terminando, apenas dando os últimos retoques em algumas coisas, mas esperamos lançar no verão.

 

Nathan Sykes

Lembro-me de ter uma conversa com a minha mãe [depois que a pausa começou]. Estava na cozinha, terminei a ligação na qual todos concordamos com a pausa. Ela veio e disse: ‘O que você quer fazer?’. Eu estava tipo: ‘Eu quero fazer música’. E ela ficou: ‘O que está te impedindo?’. Então, obrigada, mãe, pelo ótimo conselho. [Risos] Essa foi a transição para mim – The Wanted está em pausa. Vou fazer o que eu gosto, que é fazer música e ver onde isso me leva. Especialmente para mim, isso me levou a um caminho que eu nunca estive mais feliz.

Sinto que a The Wanted foi uma mistura de todos os nossos cinco interesses e gostos musicais. Então, quando estávamos escrevendo músicas, eu estava, pessoalmente, como compositor, escrevendo para cinco vozes – não estava apenas escrevendo para mim – e esperando que eles pudessem cantar o que eu estava escrevendo. Eu estou fazendo escolhas muito diferentes como solista. Nós estávamos escrevendo muito como uma coleção. Eu sempre digo que eu era 20% da The Wanted, mas 100% de mim mesmo.

Estou escrevendo o segundo álbum. É um momento muito emocionante para mim. “Unfinished Business” foi uma declaração da minha intenção sonora e onde eu queria ir como artista, que caminho queria percorrer como artista, acho que o “Unfinished Business” fez muito isso. Ainda recebo mensagens, pessoas descobrindo e pessoas que não eram necessariamente fãs da The Wanted.

Estou muito feliz em escrever o segundo disco. Eu vou e volto para Los Angeles, fazendo sessões de composição e tenho escrito aqui em Londres. Então, estamos apenas juntando tudo e estou realmente solidificando os sons e contando a minha história do último ano e meio. Isso é muito eu no momento. Eu sou um pouco recluso quando estou escrevendo. [Risos] Então, eu meio que me afastei o máximo possível.

Os sons que criei para o segundo álbum são uma progressão do primeiro álbum e estou tão entusiasmado com isso. Estou pensando em lançar este ano ou no começo do ano que vem. Havia muitos instrumentos [no “Unfinished Business“], então vou meio que expandir isso e também mostrar a dinâmica ao longo do álbum. Liricamente, é apenas muito honesto, que é o que eu sempre tento ser. É tão honesto quanto eu posso ser.

 

Jay McGuiness

Eu sou um ator, querido! Não, sério, eu apareci no – e, de alguma forma, venci – “Strictly Come Dancing” no Reino Unido, e, desde então, eu tenho cantado, dançado e atuado para ganhar a vida. Eu tive meu primeiro papel no teatro interpretando Josh Baskin na versão musical do filme de Tom Hanks, “BIG”, que foi muito divertido. E eu fiz algumas músicas e espetáculos de dança recentemente. Eu tenho alguns projetos em que estamos trabalhando para o ano que vem, tenho estado tranquilo e ocupado.

Eu estava em uma escola de artes performáticas quando fiz o teste para a banda, então eu sempre tive uma carreira de música e dança em minha mente. Não tive muita oportunidade de dançar na bandabem zero, na verdade. Nós éramos horríveis coletivamente, então é bom ter descoberto isso de novo.

 

Tom Parker

Eu precisei de um segundo, depois que demos a pausa, para descobrir o que era importante para mim. Viajar para longe era uma parte tão importante da banda, então eu basicamente me concentrei em fazer coisas que se adéquam mais perto de casa. Eu fiz algumas aparições na TV e fiz meu primeiro trabalho no Reino Unido no ano passado, interpretando Danny Zuko no musical “Grease”, o que foi muito divertido.

Eu realmente não tinha ideia de que faria um papel no teatro há sete anos. Não estava no meu radar, mas acho que é a graça dessa indústria. Ela apresenta oportunidades que te empurram para fora da sua zona de conforto.

 

Siva Kaneswaran

Há duas coisas que estou focando e que os fãs sabem, porque eles sabem de tudo [risos]. Meus dois amoresmúsica e atuação.

Atualmente estou trabalhando duro no estúdio. Eu tenho feito composições para outros artistas e agora morar em Los Angeles abriu a porta para criar música para o cinema. Estudar a arte de atuar me permitiu me expressar de uma maneira diferente e usar minha influência para um bem maior. Eu fui recentemente lançado em um filme intitulado “Where We Go From Here”, que aborda questões importantes sobre a violência armadaque eu tenho muito orgulho de trazer para debate. Ainda este ano, eu atuarei em um filme que é secreto por enquanto, mas eu mal posso esperar para compartilhar com todos vocês!

Eu sempre amei entreter as pessoas e estar na banda me permitiu fazer isso. Eu me senti muito sortudo por ter sido capaz de me expressar criativamente enquanto fazia os fãs se sentirem bem.

Você tem acompanhado a The Wanted em seus projetos solo? Conte nos comentários!

Fonte: Billboard



sexta-feira 27 abril, 2018 às 20:20 | Postado por Thais | Arquivado em: Entrevista, Jay McGuiness, Max George, Nathan Sykes, Notícia, Projetos Solo, Siva Kaneswaran, The Wanted, Tom Parker

Posts Relacionados